segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

juras secretas


Jura Secreta 115

esse teu olho
que me olha azul safira
ou mesmo verde/esmeralda fosse
pedra- pétala rara
carne da matéria doce
ou mesmo apenas fosse
esse teu olho que me molha
quando me entregas do mar
toda alga que me trouxe



Jura Secreta 4

a menina dos meus olhos
com os nervos à flor da pele
brinca de bem-me-quer
ela ainda pensa que é menina
mas já é quase uma mulher

Artur Gomes
foto.poesia





sábado, 11 de fevereiro de 2017

foto.poesia

 


Buena à Vista

o mar em calmaria
algas nos meus pés
descalços
e eu no encalço da bênção
que ela jurou pra me guardar

Artur Gomes

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

língua


língua

a minha língua
é safada
nua e crua
não gasta palavra a toa
não canta palavra gasta
não é fado de Lisboa

é
blues rasgado
pedra de toque
samba rock
plug ligado
no navio ou na canoa

bebe do Rio
e de sampa
nos demônios da garoa

fio desencapado
tensão eletriCidade
tesão canibalidade
na voracidade da pessoa

Artur Gomes
foto.poesia

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

sábado, 4 de fevereiro de 2017

o que existe pro trás da posia

o que existe por trás da poesia

língua de sal
lambendo a pele
do amor à flor da pele



Diador-in
avessa em mim
branquinha como a neve
me leve
para dentro da tua casa
a poesia é o infinito da pessoa
te empresto minhas asas
pare de caminhar e voa

Artur Gomes
foto.poesia





segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Suor & Cio


Galope

teus órgãos tem o dom
de devorar entranhas
mexendo nervos músculos
em mim, cavalo não domado
quando em tuas pradarias
esporas por querer
nossa carne nos lençóis
do mais líquido prazer

Ser/Teu

aqui me tens,
nesse segundo orgasmo:
mata-me de prazer
que ainda é tempo.

tira depois
todo excesso de saliva
que me vem à boca
após cumprido ato
no instante exato de ser  teu:
               morro
aqui, e agora
e se preciso sempre
mas o pensamento é testemunha
ontem era uma outra
quem me possuiu.

Confissão

se em ti estou
é para alimentar o que não sou
e o que sou
não é represa.

é veia pública sob patas
posta de sangue na mesa
nada mais me é surpresa.
cansei de ser correto
deixei de ser decente
eu quero mesmo é o paladar
da tua língua
entres os meus dentes

Artur Gomes
no livro: Suor & Cio



domingo, 25 de dezembro de 2016

Poema de Natal



jura secreta 14
Poema de Natal

eu te desejo flores
lírios brancos girassóis
rosas vermelha tudo quanto pétala
asas estrelas alecrim
bem-me-que e alfazema

eu te desejo emblema
deste poema desvairado
com teu cheiro teu sabor
teu suor tua doçura

e na mais santa loucura
declararte amor até os ossos

eu te desejo e posso
palavrArte até a morte
enquanto a vida nos procura

Artur Gomes