sexta-feira, 20 de maio de 2016

com os dentes cravados na memória



com os dentes cravados na memória

nasci entre canaviais
 e fornos de cerâmica
cresci vendo homens cortando cana
queimando tijolos no fogo
por míseros salários mínimos
assando o corpo no sol
nos olhos lágrimas de sal
cacomanga cicatriz na carne
500 anos de escravidão
com os dentes cravados na memória
acendo um facho de luz
na sua eterna escuridão

Artur Gomes Gumes

Nenhum comentário:

Postar um comentário