domingo, 1 de maio de 2016

nos ex-porões das madrugadas




nos ex-porões das madrugadas
para
Ricardo Lima, Monica Brandão, Hygia Ferreira
e Elias Jabur – in memória

na pele da memória
hoje ficou jardiNÓpolis
e tua flor antropofágica
mordendo o calcanhar froydiano

todo sagrado/profano
em minhas mãos como um rio
metamorfose do humano
na musa  primeiro cio

poesia rasgando os panos
anos depois  batatais
cervejas no copo sujo
barco a deriva no cais

a carne farta da  musa
o vinho em  taças de cristais
as tintas de portinari
pelas manhãs- catedrais
com cristos nos santuários
portando perucas roxas
e feiras explodindo os armários
para abusar das minhas coxas

hygia me deu guimarães
jardiNÓpolis me deu silvinha
por tantos anos passados
a profissão   inda é minha


de navegar rio preto 
até as novas granadas
por todo corpo são paulo
nos ex-porões das madrugadas

Artur Gomes

Nenhum comentário:

Postar um comentário