quarta-feira, 29 de junho de 2016

estação 353



estação 353

desta estação
ouço teus gemidos de febre
no delírio proibido
cavajarro agora distante
guarda desejo cravado
nas unhas do desassossego

mares não mergulhados
coxas nunca lambidas
pela boca de entradas
e no instante sagrado
me prometeu que inda vinhas

esperei-te mil e uma noites
nas nuvens do vendaval
e não vieste pra farra
nem aplacou meu carnaval
fiquei por enlouquecer

nenhuma carta
caixa do correio vazia
agora a felina  noturna
espera pelo amanhecer.

Federika Bezerra





carolina

este mulher desde menina
que proclamei minha musa
por tantos mares navegados
por tantos anos vividos
pro tantos olhos profundos
toda beleza do mundo
procuro em tua janela
 pra não esquecer - carolina

já escrevi mil tratados
já rabisquei aquarelas
despenquei do corcovado
quando não vi os olhos dela
depois de anos passados
depois de tempos perdidos
volto ao de rio de janeiro
pra te re-ver carolina

Artur Gomes






o rio é uma a ponte que caiu

cara velas ao vento
toda barra em movimento
e o morro do juramento
corre em busca da farinha
que Cabral já descobriu

e um Rio violento
na pedra do Redentor
chora a morte da vizinha
chora a barbárie e o terror

e o marco do monumento
metralhadora e fuzil
pra garantir o movimento
só o prefeito é quem não viu
que esta cidade para olímpica
é uma ponte que caiu

Artur Gomes Gumes




Tragi-Comédia Absurda - O Espelho

 


Cia Desafio de Teatro - apresenta:
A Tragi-Comédia Absurda - O Espelho

Criada em 2014 na cidade fictícia de BraziLírica Pereira: A Traição das Metáforas, a Cia Desafio de Teatro produziu e encenou os espetáculos: Nos Tempos da Foto Novela, Uma Noite de Natal e Waterkis  - Selecione Água. Saídos de sua cidade natal, os atores da Cia,  vieram parar em - goyta city, ex-Campos dos Goytacazes - e por falta de condições para sobreviver da sua arte passaram a mendigar pelas ruas da cidade o Pão Nosso de Cada Dia.

Maltrapilhos e desamparados e sem espaço próprio para desenvolverem sua Arte, além da falta de incentivo e diálogo com o poder público municipal, os atores ocuparam um Casarão Histórico abandonado e o transformaram em Teatro. 

Neste ano de 2016 depois de Cristo, provocados pelo seu Diretor, os atores da Cia. começaram a desenvolver o processo de criação da Tragi-Comédia Absurda - O Espelho, inspirada em fragmentos de peças dos dramaturgos Fernando Arrabal e Eugene Ionesco. Os ensaios vem acontecendo no SESC às Quintas e Sábados, com apresentações previstas para acontecer em dezembro.

Curso de Artes Cênicas - O Espelho
Quintas-Feiras - das 15 às 18h
Sábados - das 14 às 17h
SESC Campos - grátis

Direção: Artur Gomes



terça-feira, 28 de junho de 2016

orquídias como lençóis



orquídias como lençóis

simples como se fosse abelha fabricando mel
o céu da tua boca em minha língua de céu

gisele à flor a pele na minha pele tanta
 como esquecer tuas unhas
como esquecer tuas plantas

orquídias por toda cama quando éramos dois
e alguns goles de vinho para o instante depois

sempre tão calmo o relógio
pelos ponteiros dos músculos
que esquecíamos das  hora em nossos gozos maiúsculos.

Artur Gomes Gumes

o espelho



Cia Desafio de Teatro - apresenta:
O multi-espetáculo - O Espelho
texto de abertura

ator-narrador -

senhores e senhores a nossa obra de arte
sai da cabeça de quem está procurando o que fazer.
não sei se vocês vão entender. mas não importa
vamos abrir a porta para a luz do sol entrar.
a nossa obra consiste pra mostrar pra quem assiste
que cada qual tem sua sina. e o palhaço mal-me-quer
vai roubar tua mulher. nesta noite severina
Odara me deu um corte me mandou pra outra esquina. 
mas hoje  estou com sorte vou prender esta menina na sola do meu sapato nem que seja o último ato do papel que me destina a cia desafio de teatro.

enquanto o ator narrador vai saindo de cena
o elenco vai entrando cantando em coro as cantorias de roda:

mandei fazer uma casinha de farinha
tão bonitinha para o meu amor passar
oi passa sol passa chuva passa vento
só não passa o movimento do cirandeiro a rodar


Curso de Artes Cênicas - O Espelho
SESC  Campos - grátis
Quintas-Feiras - das 15 às 18h
Sábados - das 14 às 17h
Direção: Artur Gomes



segunda-feira, 27 de junho de 2016

d´lírica




d´lírica

teus olhos castanhos
tanta ternura aos meus estranhos
trouxe - que nas noites de sono
sonho - como se anjo do céu
eu fosse




estação 353 

daqui do portal desta estação
ouço a voz do teu silêncio
o amor com seus olhos castanhos
passou no trem pra leningrado
e o nosso encontro marcado
ficou para depois
da estação porto viejo
onde a droga do desejo
é um veneno pra nós dois.

Gigi Mocidade



o piano dos teus dedos

meus dedos azuis
tocam 0 piano dos teus dedos
se Almodovar me ensinasse
a cor do teu vestido quando despes
eu poderia escrever sobre tua pele
embaixo dos tecidos de algodão
roçando nos teus poros

eu tenho fios elétricos esticados
e músculos mordendo os ponteiros
do relógio desse tempo tão depressa

se Clarisse me dissesse sobre a carne
das palavras eu poderia escrever
sobre essa embriaguez quando
o ritmo das horas não se sabe tanto

eu tenho uma corda presa na garganta
esperando que os teus dedos me liberte
da canção que diz espera




poétika morábilis 2
para Dandhara Juddi

escrever um poema
as vezes custa muito
outras vezes custa nada
ou pode custar tudo
se ele vem como um cavalo
em disparada
pelas luas da noite
ou estrelas da madrugada

mas é preciso sempre
soltar as rédeas desse  cavalo
na retina dos olhos das aquarelas
para não deixá-lo trancado
em currais  cercas   cancelas




delírica passarinhada

como um bem-me-quer
pelos lençóis sagrados
em algum mistério da santicidade
todo segredo deve ser guardado
na folha ou fruto da semente santa
o que semeio minha alma canta
o que em teu corpo o coração depara
Dandhara linda arara rara
em que floresta ainda vou compor
meu canto livre pra tua pele clara
eu quero quero como um beija-flor

Artur Gomes