domingo, 7 de janeiro de 2018

meu boto cor de rosa


meu boto cor  de rosa

impossível não ter desejo eu tenho e quem nunca teve que atire a primeira pedra quem conhece em Guarapari a praia das Virtudes sabe que ali eu me deliro ali eu deito e rolo faço cama na areia brinco de sereia e canto pro meu boto encantado cor de rosa que mora do outro lado das pedras da praia dos Namorados

Federika Lispector
eu não sou santa




baby cadelinha

onde o tempo não seja movido pela imoralidade de boletos bancários você tem 24 horas para me deixar rasgar o vento no centro do teu corpo como quem deseja a faca na carne da maçã antes da última dentada desse músculo teso em tua boca branca quando me dá fome

Artur Gomes 


Nenhum comentário:

Postar um comentário